domingo, 17 de agosto de 2014

Cine Califórnia

Mazzaropi 
O Cine Califórnia, fundado por Selmo Rosa, foi o primeiro e único cinema de Ilhéus do Prata. Marcou época entre os anos 60 e 70. Inicialmente funcionou improvisado em um paiol desativado na rua de cima. A improvisação e desconforto do local, não eram suficientes para afetar a alegria e prazer das pessoas que curtiam aquela novidade com muita emoção e simplicidade. Funcionou regularmente por pouco tempo e ocasionalmente, em temporadas mais movimentadas do Vilarejo.

O cinema em Ilhéus foi um dos momentos marcantes vividos na minha infância. Teve um papel importante de popularização, ao contrário da televisão, que inicialmente era limitada a poucas famílias da comunidade. Os filmes exibidos ali encantavam e nos deixavam, de certa forma, apaixonados com aquela poderosa máquina que estimulava sonhos e criatividade. Um mundo de fantasia que começava com as exposições dos cartazes de divulgação dos filmes.

Lembro-me de filmes de diversos gêneros, como por exemplo, as aventuras de Tarzan, que impressionavam pela potencia do seu grito e as peripécias da macaca chita. Os clássicos romanos assustavam pelas fortes cenas, assim como as comédias ingênuas do Mazzaropi davam o tom de alegria nas sessões. Lá assistimos o “Dólar Furado”, um faroeste Italiano que se destaca pela linda e inspiradora trilha sonora com a canção “Se Tu Non Fossi Bella”.

E assim, o Cine Califórnia hoje, é apenas uma boa lembrança de um tempo que éramos mais amigos e alegres.

Saudações, Serginho Rocha

domingo, 3 de agosto de 2014

GINO & GENO em Ilhéus

Consta no livreto da história de Ilhéus do Prata, registro de Efigeninha Frade, que a dupla sertaneja “GINO & GENO” apresentaram na década de 60 em Ilhéus como atração musical do circo “La paloma”. Recordo-me que este circo ficou uma boa temporada alocada nas proximidades da mina, em uma área gramada onde era usada também pelas lavadeiras de Ilhéus. Tinha o palhaço "Futrica", que inclusive, foi recentemente lembrado pelo grupo de amigos de Ilhéus no facebook.

Naquela época era comuns as duplas sertanejas apresentarem em circos, sendo atrações indispensáveis dos espetáculos. GINO & GENO que iniciaram nos picadeiros, hoje continuam cantando a alegria, a simplicidade, e o fazem como poucos. Não é à toa que esta dupla mineira já faz sucesso há mais de 40 anos. 

Quem sabe eles não voltam em grande estilo a apresentar em Ilhéus do Prata! Em setembro haverá cavalgada e seria uma ótima opção para marcar e consagrar o evento. Fica a sugestão!!!

Saudações!
Serginho Rocha

domingo, 20 de julho de 2014

Febre Tifo - Vargem Linda

Bactérias causadoras da febre tifoide.
Bactérias causadoras da febre tifoide
A febre tifoide é uma doença infecciosa causada pela bactéria Salmonella typhi. É considerada uma doença grave, que apresenta constante febre, alterações intestinais, aumento das vísceras e, se não tratada, pode ocorrer uma confusão mental e levar à morte.
A principal forma de contágio é pela ingestão de água e alimentos contaminados, que estão espalhados pelo mundo todo, mas ocorre com mais frequência em países onde o saneamento é precário ou inexistente. 

Segue registro de Jayme Silva, sobre a febre tifo em Vargem Linda no início do século passado, entre os anos de 1913 à 1914.

“Notícias de Vargem Alegre” - Jayme Silva

“Não vão longe os dias em que se respirava neste lugar, uma atmosfera pesada, de luto e dor. Era de sobressalto de fundados receios a nossa situação, pois, estávamos a braços com a terrível febre tifo que, aqui grassava em caráter epidêmico e que retirava do cenário da vida, algumas vidas bem preciosas!
A tristeza nos apareceu ter, aqui, assentado a sua tenda. Na fisionomia de todos se há alguma coisa de tétrico e sombrio. Era bem impressionante essa nossa situação diante desse horrível flagelo que nos ameaçava exterminar.
Entretanto, o povo de Vargem Alegre, essencialmente altruísta, por índole, diante da tamanha calamidade, não se deixou desanimar, ao contrário, arriscando a própria vida, num impulso de coragem, procurou a todo transe debelar a moléstia.
E assim que vimos cavalheiros ilustres que têm algum conhecimento médico; colaboradores por outros diversos de espíritos igualmente fortes, transformados todos em apóstolos da caridade, visitarem constantemente aqueles que se achavam acometidos do mal, já ministrando os recursos da medicina, já orientando e aconselhando as medidas profiláticas, de acordo com o nosso meio, para nos preservar de tão infecciosa moléstia.
Combatida assim, tenazmente, mantendo-se sempre as necessárias cautelas, que a higiene prescreve, a sua intensidade foi, a pouco a pouco, decrescendo, até que, afinal, parece, está extinta.
No auge da aflição, o povo fez um apelo ao Exmo Sr. Presidente da Câmara Municipal, no que foi pronta e solicitamente atendido.
E coisa singular: Não obstante os diversos casos de febre, notados aqui e nas circunvizinhanças, deste distrito, a ninguém faltou recurso, a ninguém faltou a caridade.”
“Nessa situação aflitiva, aqui passamos largos dias e alguns meses, debaixo de uma impressão, sempre crescente, de uma tristeza, a qual continuava apesar da moléstia já ter abrandado a sua fúria. Porém, essa impressão, vem enfim a desaparecer, quando, um perfeito contraste com aqueles dobres tão tristes, tão sinistros, que já estávamos a alma, ouvimos os repiques alegres e festivos dos sinos que nos anunciavam a chegada do “Mês de Maria”“.

Matéria divulgado no “O Prateano”, órgão que saía à luz em São Domingos do Prata/MG, do qual Jayme Silva era correspondente.

Saudações!
Serginho Rocha

domingo, 6 de julho de 2014

Encontro de Cavaleiros ll

Ilhéus do Prata é também conhecida como terra de tropeiros. São muitas estórias sobre esses aventureiros que ganhavam a vida transportando mercadoria em animais ou comprando mulas e burros em Minas Gerais para vender no Espírito Santo. De lá pra cá muita coisa mudou, mas ainda, encontra-se na cultura do povo a relação afetiva, proveniente deste movimento que marcou os períodos dos anos de 1920 a 1940.

Hoje, estes momentos são relembrados e comemorados nos encontros de cavaleiros que anualmente acontece em Ilhéus. No mês de março deste ano, pela segunda vez, um grupo de cavaleiros de Timóteo com mais de 15 peões foram recebidos pela tropa de Ilhéus, após dois dias e duas noites de entre caminhos de boi e estradas de terra batida.

Segunda Lucas Cotta, um dos organizadores do evento, a aventura iniciou-se numa quinta feira saindo de Timóteo/MG até Jaguaraçu e de lá até o Rancho de Celso Bastos, onde apearam para pernoitar e apreciar um belo jantar com pato e arroz. Na sexta de manhã o destino era Santana do Alfié, para um encontro amistoso com o Irmão do Russo no Vilarejo da Ponte. A tarde o grupo foi recepcionado na Fazenda do Retiro, propriedade de Edmar Ferreira. Por lá pernoitaram para prosseguir viagem na madrugada do sábado para Vargem Linda e se encontrar com os anfitriões de Ilhéus na Vila de Teixeiras ou Cônego João Pio.

O melhor estava por vim a noite no Rancho do Miguel em Ilhéus. Prosa boa, churrasco de primeira e moda de viola regada de pinga deliciosa e cerveja gelada. Ano que vem tem mais e os organizadores estão programando um encontro mais arrojado e desafiador.

Saudações,
Serginho Rocha

Confraternização com a equipe de apoio
Recepção do Rancho do Miguel
Moda de viola

quarta-feira, 25 de junho de 2014

Festa em Ilhéus - continuação

Sábado (21) a festa seguiu em frente! Após a Missa, foi a vez de içar e cravar ao chão os mastros enfeitados com as imagens de Nossa Senhora da Purificação e São Sebastião, respectivamente. Essa é uma tradição antiga em Ilhéus do Prata que reúne os moradores do vilarejo e arredores, além da presença de muitos visitantes de localidades mais distantes. É uma celebração religiosa que faz parte da cultura local e deve ser preservada, pela beleza, pela simplicidade, pelo valor e significado que tem para nosso povo. 
Presença da banda de música de Vargem Linda
Encontro de amigos e familiares
Amigos de Ilhéus
Encontros de amigos
Animação geral
Saudações!
Serginho Rocha

segunda-feira, 23 de junho de 2014

Festa em Ilhéus

O mês de junho em Ilhéus está sendo marcado por vários eventos religiosos baseado nas tradições católicas.  Na última quinta feira (19) foi a comemoração de corpus Christi, com a procissão pelas ruas que foram enfeitadas com bandeirolas e tapetes nas proximidades da Igreja de Nossa Senhora da Purificação. Após missa festiva o povo se reuniu nas barracas para saborear os deliciosos pratos típicos da região, regado a muita música e animação de sempre que é peculiar do povo de Ilhéus. Na sexta (20) e no sábado (21) a festa seguiu em frente!!!. Abaixo alguns registros!!!
Missa após a procissão

quinta feira (19)Tapetes para passagem Corpus Christi
Música da raiz e presença da garotada
Ambiente festivo e alegre
Animação e muita dança
Quadrilha improvisada e animadíssima
Saudações, 
Serginho Rocha

sexta-feira, 18 de abril de 2014

Lições de Albert Einstein

(*)14/03/1879      (+)18/04/1955
Albert Einstein, além de ser considerado mais célebre cientista do século 20, foi também um grande humanista. É dele a frase que diz: “a imaginação é mais importante que o conhecimento.” 
O blog de Ilhéus também é cultura, vamos lembrar um pouco do pensamento do Einstein, que contribuiu não só com a física, mas também com a maneira de pensar e agir.

Saudações, Serginho Rocha.
A crise segundo Einstein: "Não podemos querer que as coisas mudem se sempre fazemos o mesmo. A crise é a maior benção que pode acontecer às pessoas e aos países, porque a crise traz progressos. A criatividade nasce da angústia assim como o dia nasce da noite escura. É na crise que nascem os inventos, os descobrimentos e as grandes estratégias. Quem supera a crise supera a si mesmo sem ter sido superado. 
Quem atribui à crise seus fracassos e penúrias, violenta seu próprio talento e respeita mais aos problemas do que às soluções. 

A verdadeira crise, é a crise da incompetência. O inconveniente das pessoas e dos países é a dificuldade para encontrar as saídas e as soluções. Sem crises não há desafios, sem desafios a vida é uma rotina, uma lenta agonia. Sem crises não há méritos. É na crise que aflora o melhor de cada um, porque sem crise todo vento é uma carícia. Falar da crise é promovê-la e calar-se na crise é exaltar o conformismo. Em vez disto, trabalhemos duro. Acabemos de uma vez com a única crise ameaçadora, que é a tragédia de não querer lutar para superá-la."