domingo, 5 de abril de 2015

Guerra do Paraguai


A Guerra do Paraguai foi um conflito militar que ocorreu na América do Sul, entre os anos de 1864 e 1870. Nesta guerra o Paraguai lutou contra a Tríplice Aliança formada por Brasil, Argentina e Uruguai, que saiu vencedora.

O Brasil teve dificuldades com a organização de sua tropa, pois além do inimigo, os soldados brasileiros tinham que lutar contra o falta de alimentos, de comunicação e ainda contra as epidemias que os derrotavam na maioria das vezes. Muitos brasileiros que se alistaram voluntariamente, infelizmente perderam a vida juntamente com milhares de pessoas em batalhas cruéis e sangrentas.

Em Vargem Linda, Jayme Silva fez o seguinte registro sobre este episódio triste e marcante da história: 
“ Meu avô paterno, Capitão Felício, ao tempo da guerra do Brasil com o Paraguai, oferecendo como voluntário da pátria, seguiu para aquele país em 29 de junho de 1865. Após quatro anos de peleja nos campos do Paraguai, a 6 de janeiro de 1870 foi ferido em uma das pernas, vindo a falecer em consequência deste ferimento em Lomas Valentina, na defesa da Pátria. Ele foi, portanto, um grande patriota, dando o sangue em defesa da terra que lhes serviu de berço – o Brasil. Era natural do arraial de Piracicaba, hoje Vila Piracicaba, onde era negociante e advogado e ali exerceu grande influência pela amizade e conceito que gozava.”

Saudações!
Serginho Rocha 

sábado, 31 de janeiro de 2015

domingo, 18 de janeiro de 2015

ASSIM É ILHÉUS!

Renovar é preciso. Recomeçar sempre! 
A floração mistura as cores e retribui as abelhas o néctar da vida.
Assim é a natureza! Assim é Ilhéus!
Saudações,
Serginho Rocha


A idade de ser feliz 

Existe somente uma idade para a gente ser feliz. 
Somente uma época na vida de cada pessoa 
em que se pode sonhar e fazer planos, 
e ter energia bastante para realizá-los,
a despeito de todas as dificuldade e obstáculos. 
Uma só idade para a gente se encontrar com a vida 
e viver apaixonadamente, 
com o entusiasmo dos amantes
e a coragem dos aventureiros. 
Fase dourada em que se pode criar e recriar a vida 
à imagem e semelhança 
dos nossos desejos; 
e sorrir e cantar, e brincar e dançar, 
e vestir-se com todas as cores 
e experimentar todos os sabores 
e desfrutar de tudo com toda a intensidade, 
sem preconceito nem pudor. 
Tempo em que cada limitação humana 
é só mais um convite ao crescimento; 
um desafio a lutar com toda energia 
e a tentar algo novo, de novo e de novo 
e quantas vezes for preciso. 
Essa idade tão especial e tão única 
chama-se presente... 
E tem apenas a duração do instante que passa...

(Mário Quintana) 

quinta-feira, 1 de janeiro de 2015

RECEITA DE ANO NOVO

Para você ganhar belíssimo Ano Novo
cor do arco-íris, ou da cor da sua paz,
Ano Novo sem comparação com todo o tempo já vivido
(mal vivido talvez ou sem sentido)
para você ganhar um ano
não apenas pintado de novo, remendado às carreiras,
mas novo nas sementinhas do vir-a-ser;
novo
até no coração das coisas menos percebidas
(a começar pelo seu interior)
novo, espontâneo, que de tão perfeito nem se nota,
mas com ele se come, se passeia,
se ama, se compreende, se trabalha,
você não precisa beber champanha ou qualquer outra birita,
não precisa expedir nem receber mensagens
(planta recebe mensagens?
passa telegramas?)

Não precisa
fazer lista de boas intenções
para arquivá-las na gaveta.
Não precisa chorar arrependido
pelas besteiras consumadas
nem parvamente acreditar
que por decreto de esperança
a partir de janeiro as coisas mudem
e seja tudo claridade, recompensa,
justiça entre os homens e as nações,
liberdade com cheiro e gosto de pão matinal,
direitos respeitados, começando
pelo direito augusto de viver.

Para ganhar um Ano Novo
que mereça este nome,
você, meu caro, tem de merecê-lo,
tem de fazê-lo novo, eu sei que não é fácil,
mas tente, experimente, consciente.
É dentro de você que o Ano Novo
cochila e espera desde sempre.
Carlos Drummond de Andrade ANDRADE, C. D. Receita de Ano Novo. Editora Record. 2008.

domingo, 21 de dezembro de 2014

domingo, 28 de setembro de 2014

Rio São Francisco

Notícias como esta assustam! Estamos colhendo os frutos do desmatamento da Amazônia, das queimadas criminosas e a falta de respeito com o nosso meio ambiente. Vamos acordar e agir!!! Ainda a tempo de evitar coisas piores!!!
Saudações!!! Serginho Rocha

Segue...

Nascente do Rio São Francisco - Antes
Em entrevista ao portal G1, Luiz Arthur Castanheira, diretor do Parque Nacional da Serra da Canastra, afirmou que a nascente do Rio São Francisco secou.
"Isso não é comum, é preocupante. Não há dúvida de que algo em grande escala está mudando em nosso ecossistema. As principais barragens do Alto São Francisco, que são a de Três Marias e Sobradinho, estão sendo ameaçadas e se aproximam do limite de volume útil de água. Ou seja, a água dos principais afluentes está chegando ao nível zero, e a biodiversidade do rio está comprometida, além de a qualidade do rio estar se deteriorando", afirmou ele.

De acordo com Castanheira, a situação crítica já é notada faz tempo e é inédita na história do rio, o maior de águas totalmente brasileiras - o São Francisco nasce na Serra da Canastra, em Minas Gerais, e desemboca no Atlântico entre Alagoas e Sergipe.

Nascente do Rio São Francisco - situação atual
"Essa nascente é a original, a primeira do rio e é daqui que corre para toda a extensão. Ela é um símbolo do rio. Imagina isso secar? A situação chegou a esse ponto não foi da noite para o dia. Foi de forma gradativa, mas desse nível nunca vi em toda a história”, disse Castanheira.

Com a estiagem, as represas ligadas ao São Francisco já apresentam níveis alarmantes. A Três Marias, primeira barragem construída ao longo do rio, registrou 6% de seu volume útil nesta semana.

domingo, 7 de setembro de 2014

Antigamente em Ilhéus ll

Fotos inesquecíveis de Ilhéus do Prata...!!!



Sr. Tonico Bastos
Jovem Batista, Antonio de Deco, José de Oscar

domingo, 17 de agosto de 2014

Cine Califórnia

Mazzaropi 
O Cine Califórnia, fundado por Selmo Rosa, foi o primeiro e único cinema de Ilhéus do Prata. Marcou época entre os anos 60 e 70. Inicialmente funcionou improvisado em um paiol desativado na rua de cima. A improvisação e desconforto do local, não eram suficientes para afetar a alegria e prazer das pessoas que curtiam aquela novidade com muita emoção e simplicidade. Funcionou regularmente por pouco tempo e ocasionalmente, em temporadas mais movimentadas do Vilarejo.

O cinema em Ilhéus foi um dos momentos marcantes vividos na minha infância. Teve um papel importante de popularização, ao contrário da televisão, que inicialmente era limitada a poucas famílias da comunidade. Os filmes exibidos ali encantavam e nos deixavam, de certa forma, apaixonados com aquela poderosa máquina que estimulava sonhos e criatividade. Um mundo de fantasia que começava com as exposições dos cartazes de divulgação dos filmes.

Lembro-me de filmes de diversos gêneros, como por exemplo, as aventuras de Tarzan, que impressionavam pela potencia do seu grito e as peripécias da macaca chita. Os clássicos romanos assustavam pelas fortes cenas, assim como as comédias ingênuas do Mazzaropi davam o tom de alegria nas sessões. Lá assistimos o “Dólar Furado”, um faroeste Italiano que se destaca pela linda e inspiradora trilha sonora com a canção “Se Tu Non Fossi Bella”.

E assim, o Cine Califórnia hoje, é apenas uma boa lembrança de um tempo que éramos mais amigos e alegres.

Saudações, Serginho Rocha